Adeus Intel. Olá “Apple Silicon”!

processadores arm da apple

A Apple tem já muita experiência a fabricar processadores para os seus dispositivos, desde o iPhone, iPad, Apple Watch. Até mesmo a Apple TV e o HomePod utilizam os próprios processadores da empresa.

Chegou, finalmente, a hora de a Apple passar a construir os seus próprios processadores para os Macs. Assim, a Apple vai desenhar processadores especificamente para o Mac com funcionalidade únicas de forma a tirar melhor proveito do chip e obter o melhor desempenho possível.

Comparação dos processadores Apple com os PC portáteis e fixos atuais

Maior desempenho e melhoria do consumo energético são o foco principal da Apple. Assim, com os processadores da Apple será possível obter maior performance e gastar menos energia que atualmente.

Manter uma arquitetura em comum entre todos os aparelhos da empresa vai permitir uma maior cooperação entre todos eles e, assim, tornar todo o ecossistema ainda melhor. Esta transição irá decorrer ao longo de dois anos. No entanto, a Apple garante que vai haver suporte para os Macs com processadores Intel durante mais tempo.

Menos trabalho para os desenvolvedores

De modo a motivar os programadores a abraçarem esta transição o mais rápido possível, a Apple apresentou um conjunto de ferramentas que permitirão tornar este processo mais simples e rápido.

O “Universal 2” permitirá que as aplicações corram quer em Macs com processadores Apple, quer em Macs com processadores Intel. A Apple tem trabalhado juntamente com empresas como a Microsoft e a Adobe para trazer aplicações para Macs com processadores “Apple Silicon”. Microsoft Word, Excel e Power Point e Adobe Photoshop são exemplos de aplicações que já correm de forma nativa nos novos processadores da Apple.

A empresa quer que os utilizadores não se apercebam da transição de hardware. Assim, como já foi utilizado anteriormente quando a Apple transitou dos processadores PowerPC para Intel, foi apresentado o “Rosetta 2”. Esta ferramenta irá permitir que novos Macs, com processador “Apple Silicon”, possam correr aplicações ainda desenhadas para Macs com processadores Intel. Tudo isto sem que os utilizadores reparem.

Além disso, a Apple apresentou o “Virtualization”. Uma ferramenta que permitirá aos utilizadores correr outros sistemas como Linux ou até Docker.

Por fim, a Apple criou um “developer kit” para que os programadores possam adquirir e começarem a desenvolver as suas próprias aplicações adaptadas para processadores “Apple Silicon”. Este kit inclui um Mac Mini com um processador A12Z, presente no iPad Pro, 16GB e memória RAM e 512GB de disco SSD por US$500. Este kit está disponível para compra em developer.apple.com.

9 Shares: