Sabias que o sucesso do Apple Watch foi conseguido de forma acidental?

Pois é, parece que todo o sucesso conseguido pelo Apple Watch ao longo dos anos, foi conseguido de forma acidental. Quem o diz é a própria Apple!

E o grande segredo das vendas em catadupa e da fama que tem conseguido manter perto dos consumidores, prende-se essencialmente na forma como o relógio inteligente da marca de Cupertino “cuida” da saúde dos seus utilizadores. 

Ainda recentemente escrevemos sobre uma situação em que o Apple Watch foi o herói do dia e fez terminar em bem aquilo que poderia perfeitamente ter sido uma enorme tragédia… e não têm faltado exemplos semelhantes ao longo do tempo. 

Mas quando foi lançado o primeiro Apple Watch –  em abril de 2015 – a saúde não era propriamente uma prioridade no dispositivo, é certo que já tinha a capacidade de monitorizar o ritmo cardíaco, mas pouco mais do que isso. 

Mas se pararmos para pensar no assunto, percebemos que a Apple tem focado a sua atenção em deixar o seu Apple Watch cada vez mais amigo da saúde do utilizador, com controlo do ritmo cardíaco, possibilidade de fazer eletrocardiogramas e até controlar o ciclo menstrual, só para citar alguns exemplos. 

Posto isto, poderá pensar-se que a ideia inicial sempre foi esta… mas não foi! Em conversa com o The Independent alguns executivos da Apple explicaram em como o Apple Watch se tornou tão importante no mundo da saúde de forma quase acidental. Estas foram as palavras de Jeff Williams sobre o tema: 

“Foi algo muito orgânico. A maioria das pessoas pensa que tivemos essa importante iniciativa de saúde. Bem, tínhamos algumas noções no início, mas não sabíamos onde isso nos levaria. E, honestamente, é uma situação em que começamos a puxar tópicos e quanto mais puxamos, mais percebemos que há uma oportunidade tão grande para melhorar a vida das pessoas com as informações que estão no seu pulso”.

Só a partir do momento em que a Apple começou a receber elogios constantes por parte dos seus utilizadores relativamente aos feitos que o seu Apple Watch fazia dia após dia na vida das pessoas, é que percebeu que poderia e deveria fazer mais e melhor nesse sentido:

“A primeira carta que recebemos sobre esse assunto, sobre o fato de o Apple Watch ter salvado a vida de alguém apenas com o monitor de batimentos cardíacos, surpreendeu-nos, porque qualquer um pode ir ao seu relógio ver o seu batimento cardíaco. Mas então começamos a receber cada vez mais cartas e percebemos que tínhamos uma oportunidade enorme e talvez até uma obrigação de fazer mais. Isso levou-nos a fazer tudo, incluindo aplicações regulamentadas por médicos”. 

Atualmente o Apple Watch é muito mais do que um relógio, basta atentar no exemplo que mencionei no início do artigo em que o mesmo salvou a vida a um ciclista depois de uma queda enorme, mas basta uma breve pesquisa para se perceber que é algo que tem acontecido com bastante frequência. 

Kevin Lynch, diz que a marca de Cupertino não quer ficar por aqui: 

“Já podemos aprender imenso com o hardware atual. Os estudos cardíacos são um bom exemplo. Com o monitor existente no Apple Watch, conseguimos obter leituras de AFib a partir disso. Já existe muito em que podemos trabalhar. É realmente uma questão de escolher bem as nossas áreas de foco e fazer ótimas perguntas que, em seguida, levam a respostas perspicazes. Essa é a jornada em que estamos atualmente.

Nos últimos estudos sobre saúde auditiva, por exemplo, saúde da mulher, mais estudos cardíacos, achamos que ainda podemos aprender muito nessas áreas com toda a tecnologia existente que temos, usando-as dessa maneira focada. Isso pode levar à invenção de outras coisas novas, mas mesmo com as coisas atuais, ainda estamos no começo. Há muito para aprender. Existem tantas áreas em que podemos concentrar-nos. E isso é estrategicamente a coisa mais importante para nós: perguntar onde podemos dar uma contribuição significativa?”

E tu, tens alguma história que demonstre a utilidade do teu Apple Watch? 

4 Shares:

Deixa um comentário!