CineApple nº15: “Era uma vez em Hollywood”

Preparados para uma viagem até Hollywood dos anos 60?

Esta semana, o CineApple transporta-te para o mundo alucinante do cinema americano, numa altura em que se começaram a colocar em dúvida algumas diretrizes até então instituídas no meio.

“Era uma vez em Hollywood” é o filme desta semana nesta rubrica.

O nono filme do excêntrico realizador Quentin Tarantino, há muito que era aguardado pelo público em geral, mas os fãs e o mundo da sétima arte, já ansiavam por um novo filme, passados quatros anos desde a estreia dos “Oito Odiados”. A prova disso foi a ovação de pé de quase sete minutos que, “Era uma vez em Hollywood” recebeu no Festival de Cannes, antecipando o sucesso desta obra de arte.

Na verdade Tarantino reinventa uma época que vive da fama dos atores que fazem sucesso em Hollywood, “brincando” (muito a sério) e de forma brilhante com factos que marcaram a década de 60, como a menção de Charles Manson, que na vida real foi responsável pelo assassinato da mulher de Roman Polanski (no filme interpretado por Rafal Zawierucha), Sharon Tate, cujo o papel no filme pertence a Margot Robbie.

Leonardo Dicaprio e Brad Pitt são Rick Dalton e Cliff Booth respetivamente, Rick tenta vencer o medo de estar a ser ultrapassado por outros atores e Booth seu duplo nos filmes, consegue espelhar a sua função mesmo fora do grande ecrã, apoiando incondicionalmente o seu amigo.

O declínio da era cinematográfica de ladrões e cowboys reflete-se em cenas ao longo do filme onde os hippies conquistam o seu espaço e o humor negro à moda de Tarantino, nos continuam a deixar encantados. 

Tarantino continua a corresponder às nossas expectativas e a sua excentricidade continua a manifestar-se na forma como filma e como mostra uma realidade que não sendo verdadeira, foi o mais fiel possível a uma realidade tão eficientemente reconstruída.

Mais uma vez, o realizador presenteia-nos com uma longa-metragem em que tudo parece genuinamente desconstruído, mas de facto, tudo se interliga.

“Era uma vez em Hollywood” eleva-nos até ao sonho americano que tenta não cair por terra, no fundo, tanto na tela de cinema como connosco, que continuamos a assistir à magnificência de Quentin Tarantino sem qualquer sentimento de desilusão.

Espero por vocês na próxima semana, para mais uma rubrica CineApple!

3 Shares: